terça-feira, 20 de abril de 2010

Yoga e feminilidade


"Yoga é como a música: o ritmo do corpo, a melodia da mente e a harmonia da alma, criam a sinfonia da vida."
B.K.S. Iyengar


Sempre digo que para ficarmos bem, temos que reservar um tempo para nós, temos que ter algo que seja só nosso. E o meu "algo" é o Yoga.
Comecei a pratica Yoga em 2005 e viciei. Não posso viver sem, absolutamente. O Yoga me ajuda a encontrar o equilíbrio, a organizar minhas energias, a ser mais displinada, a ter força para aguentar o tranco.

No entanto, no início deste ano descobri que minha turma antiga seria cancelada. O que farei? O que farei? E devido a isso, às dificuldades em conseguir ajustar-me aos horários no centro antigo, aliadas a desejos e buscas do momento que estou vivenciando, é que cheguei a meu grupo atual.

Desde março, estou participando de um grupo de yoga para mulheres e vivências femininas. No início, senti que aqueles eram momentos de "conexão com meu útero", pois o trabalho aborda com intensidade e sensibilidade as questões femininas. Porém, hoje dou-me conta que estou me conectando comigo mesma como um todo, graças ao nosso grupo. Sinto-me florescendo. Autoestima elevada, confiança, alegria aconteça o que acontecer... Esses tem sido os efeitos colaterais de nosso grupo de yoga para mulheres!

Por que estou contando isso? Porque todas as segundas-feiras saio de lá com um desejo louco de que as mulheres-amigas-irmãs que amo e que dividem comigo esta jornada experienciem isso que estou experienciando.  Por isso vim aqui fazer uma propaganda "do bem": Curso de Yoga e Motivação para a Mulher Contemporânea, com a Professora Fabiana Panassol, no Espaço Luz Materna. Eu recomendo fortemente, garotas!

2 comentários:

  1. Esse tipo de trabalho é essencial, na minha opinião. Pelo menos assim foi na minha vida. Eu entrei num grupo de mulheres, em Poa, no ano de 2000. Um trabalho de 4 anos de duração, um trabalho forte com o feminino, com resgates, com perdão, com o apropriar-se dessa coisa linda e poderosa que é ser mulher, filha, mãe, irmã, amiga, avó. Tudo com muitas estórias, partilhas e vivências.

    O yoga fiz em um outro espaço e ainda que não esteja fazendo, hoje em dia, sinto que uma vez feito, o hábito de RESPIRAR nunca mais sai de dentro de você.

    Adorei o texto, querida!

    Concordo em gênero, número e grau! :*

    ResponderExcluir
  2. Dani,
    Todas essas coisas que fazemos para melhorar a nós mesmas e para nos (re)conectar são "caminhos sem volta", não é mesmo?
    Obrigada pela visita! Bom dia pra ti, bella!

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar o Caraminholas! Fico muito contente em saber sua opinião.