quarta-feira, 14 de abril de 2010

Atrevendo-se a mudar

Ontem eu estava preguiçosa pra ir à academia, assim optei por não ir. Seria bom, assim poderia trabalhar um pouco mais, preparar minhas aulas e adiantar aquela revisão, certo? Errado, mocinha, foi o que tive de dizer a mim. Não é um bom negócio deixar de se cuidar pra trabalhar.

Sim, trabalhar é bom e necessário, amparar aqueles que nos cercam é maravilhoso, porém, para dar conta de todas as tarefas que a vida nos impõe, é essencial que cuidemos bem de nós mesmas. Bendito insight! (Na verdade, uma coisa muito óbvia, no entanto tão fácil de esquecer...)
Assim troquei a academia por um tempo dedicado a mim mesma e a meu corpo. Fazer depilação, hidratar o cabelo, aplicar uma máscara de argila no rosto, esfoliar os pés... E nada disso feito com aquela obrigação do tipo "tenho que me cuidar para não ficar feia". Não. Muito pelo contrário: com muito carinho pela minha pele, pelo meu cabelo, pelos meus pés e não vendo-os como pedaços de mim que poderiam ou deveriam ser diferentes, mas como partes de um conjunto funcional, belo e perfeito!

Bem, mas não estou escrevendo isso para falar de meu momento umbigocêntrico, mas para lembrar a todas que é sempre importante tirar um tempinho diário para fazer algo por aquela que é a chefe do barco, a capitã da expedição, aquela sem a qual nada é possível: nós mesmas.
Uma massagem nos pés, uns minutinhos de meditação, um banho caprichado ou até mesmo aquela fatia de torta maravilhosa... Todos os dias temos a obrigação de nos autocelebrar, de agradecer por estarmos vivas e pelo corpo maravilhoso que temos. Não podemos usar a desculpa da correria do dia a dia e nos deixarmos de lado. A propósito, ontem, depois de minha incursão autocelebrativa, voltei ao trabalho e consegui fazer um monte de coisas... Tenho certeza que não renderia tanto se eu não tivesse me dado aquele tempo...

E como nada é por acaso e a sincronicidade é tudo, hoje a Daniela, do Baile no céu, postou este vídeo aqui. Tudo a ver com este momento de despertar a Deusa, a loba, a nossa força feminina através de muito carinho consigo mesmas, autoaceitação e autocuidado.


5 comentários:

  1. Tratar bem de si mesma é tudo de bom. Faz o mundo tratar bem da gente, também. Ontem, corri tanto que tive até dor de cabeça. Daí parei, desacelerei e pedi cafuné. :-)

    beijocas, querida!

    Adorei o post

    ResponderExcluir
  2. Adoro levar puxões de orelha das minhas guriazinhas! Obrigada por este post tão divinamente inspirador. bjs, bjs

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, minhas queridas! Adoro saber que meus posts chegam aos vossos corações! beijos

    ResponderExcluir
  4. Minha Mamma indicou, eu fui conferir. Aline, adorei: soubeste colocar muito bem essa nossa nececidade/obrigação com nós mesmas... Me identifiquei horrores com o vídeo e as tuas palavras dizem de uma maneira mais inspiradora e poética o que tento dizer pra minha mãe!
    Vou paorveitar a ocasião, então, para puxar a orelha dela por aqui: Minha Rose, sem dúvida, é a Capitã do nosso navio, o Leônidas do nosso 300 e a parte mais cheirosa e mais bonita da Constituição da minha República. Meu sonho era ficar como ela quando crescesse: olhos verdes, cabelos negros e até crespos! Sendo assim, nada mais justo que ela cuide do seu corpo e de seu espírito para seguir o seu posto de Bela Chefe daquele clã com sede na Duque!

    ResponderExcluir
  5. Ju,
    Que declaração de amor linda para tua Mamma!
    Lindo, lindo!
    Beijo, beijo

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar o Caraminholas! Fico muito contente em saber sua opinião.